Blog

O que é a Terapia com Ondas de Choque

O que é a Terapia com Ondas de Choque

Muitas pessoas ainda não conhecem, mas a TOC (como é abreviada) é um método muito eficaz de induzir uma regeneração tecidual numa área lesada cronicamente, seja ela muscular, no tendão, na pele ou até mesmo na estrutura óssea. As ondas de choque são, basicamente, ondas mecânicas de pressão que podem variar de energia e eletricidade. Elas podem ser focalizadas ou radiais e são geradas através de uma tecnologia especial. O uso das ondas de choque como tratamento médico surgiu do interesse de biólogos e profissionais da saúde que trabalharam na Segunda Guerra Mundial. Eles notaram que os marinheiros, logo depois de atingidos por alguma explosão, apresentavam pequenas lesões nos pulmões ocasionadas pelas ondas de choque emitidas pelas bombas submarinas. A partir de 1980, as ondas de choque começaram a ser utilizadas pela medicina, mais especificamente por um paciente que precisava tratar pedras nos rins. Atualmente, a Litotripsia por Ondas de Choque é o tratamento mais eficaz no tratamento de cálculos renais, tendo expandido o seu território para a ortopedia em geral e, também, para a medicina estética. Entretanto, os campos da urologia, neurologia e cardiologia já estão estudando melhor esse tipo de terapia para suas respectivas áreas.

Como as ondas de choque agem

As ondas de choque podem agir de diversas maneiras, através de ações. São elas:

  • as ações mecânicas, que geram microlesões no tecido alvo, mas sem danificar os tecidos adjacentes, o que facilita alguns fatores de crescimento e que serão fundamentais no processo de recuperação;
  • as ações analgésicas acontecem através de estímulo local, atuando na fisiologia da dor pela liberação de algumas substâncias que atuam diretamente nessa área;
  • ação vascular, que libera óxido nítrico local e provoca a neoformação de microvasos, melhorando a irrigação e a oxigenação do local. A consequência disso é a reabsorção dos depósitos calcários e/ou da cicatrização tecidual.
  • ação de estimulação de mitocôndrias, que acontece com o incremento de energia e do ATP tecidual;
  • por fim, pode ocorrer a mobilização, migração e diferenciação das células-troncos.

Indicações

Ortopédicas:

  • fascite plantar (com ou sem esporão de calcâneo);
  • epicondilite lateral (cotovelo);
  • tendinite calcária (ombro);
  • tendinite supraespinhoso;
  • síndrome (tendinite) de De Quervain;
  • tendinite patelar (joelho);
  • tendinite do tendão calcâneo (tendão de Aquiles);
  • bursite trocantérica (quadril);
  • periostite da tíbia;
  • meralgia parestésica (neuropatias);
  • neuroma de Morton (pés);
  • síndrome de dor miofascial;
  • espasticidade pós-AVC (acidente vascular cerebral), paralisia cerebral, TCE etc.;
  • retardo de consolidação e pseudoartrose de fraturas;
  • artroses ou osteoartrites;
  • terapia do atlas (baseado no método AtlasPROfilax);
  • lesões agudas no esporte (ligamentares, musculares, tendíneas).

Dermatológicas:

  • feridas crônicas de pele como úlceras e escaras.

Estéticas:

  • celulites;
  • estrias;
  • cicatrizes hipertróficas;
  • linfedemas.

Urológicas:

  • disfunção erétil vascular;
  • doença de Peyronie.

Critérios básicos de inclusão

Na área ortopédica, recomendamos a TOC para aquelas patologias tratadas por mais de três meses sem resultado satisfatório com qualquer um dos tratamentos convencionais utilizados normalmente. Já na área estética, ela é indicada para qualquer paciente que apresente celulite, linfedema, independentemente se o paciente já realizou algum tratamento prévio ou não. A TOC também é indicada para aqueles casos em que a cicatrização demora muito tempo para se consolidar.

Contraindicações

Alguns casos são passíveis de contraindicação para o uso deste tratamento como em mulheres grávidas e em pessoas com distúrbios graves de coagulação sanguínea ou com tumores musculoesqueléticos no local a ser aplicado. Não é permitida a aplicação na região pulmonar nem quando há infiltração com corticoide com menos de três semanas.

Aplicação e vantagens do tratamento

Em média, são realizadas de três a cinco sessões, semanalmente, durando 30 minutos cada. Além de não requerer nenhuma preparação especial por parte do paciente, também não é utilizada anestesia, pois os níveis de energia começam bem baixos, bloqueando os receptores de dor, o que facilita o aumento gradativo da energia aplicada. Podem ocorrer alguns desconfortos durante o procedimento, mas nada que se configure dor ou que atrapalhe consideravelmente. Para os casos de estéticos, a dor é inexistente. Nos pacientes com alguma lesão ortopédica dolorosa, já é possível notar, logo após a primeira sessão, uma diminuição significativa na dor devido ao efeito analgésico momentâneo. A recuperação também é bastante tranquila, já que o paciente pode voltar às suas atividades normais como trabalho e lazer sem limitações, apenas evitando exercícios pesados ao longo da TOC. O uso de anti-inflamatórios é terminantemente contraindicado durante esse período. Por não se tratar de uma cirurgia, não há incidências de cicatrizes nem de internação. Por isso também, os efeitos colaterais são mínimos.

Efeitos adversos

Pode ocorrer vermelhidão e petéquias ou equimoses (discreto arroxeamento) no local tratado, com resolução espontânea e rápida. Nos três primeiros dias após as sessões, um desconforto maior pode ocorrer nos casos de tratamento ortopédico, porém aliviado com o uso de analgésicos, apenas.

Resultados esperados

  • A maioria das pessoas que possuem algum problema ortopédico tratado com a TOC sente uma melhora significativa dos sintomas logo na primeira semana de tratamento, ou seja, diminuição da dor e aumento da mobilidade.
  • Resultados satisfatórios para tratamento da dor crônica variam de 75 a 90% dos pacientes tratados, de acordo com diversas pesquisas. É notável uma melhora gradativa e contínua até seis meses após a última sessão.
  • Nos casos de linfedema e celulite, o paciente já consegue enxergar grandes progressos após quatro semanas da última sessão.
  • Sinergia satisfatória ocorre na associação da TOC com o plasma rico em plaquetas ou ozonioterapia, encurtando o tempo de reparação tecidual.
  • Uma abordagem sistêmica do paciente é essencial para avaliar seu estado hormonal e nível de oxidação tecidual (radicais livres), estimulando a detoxificação satisfatória para tratar o que chamamos de “memória da dor” ou sensibilização espinhal quando presentes, pois só assim é possível alcançar um resultado mais efetivo.

Onde tratar

Na Orto Center, clínica de ortopedia em Jacarepaguá, o Dr. Osires Muniz Araújo utiliza o Swiss DolorClast Evo Blue, de tecnologia eletropneumática vinda diretamente da Suíça. O aparelho converte energia cinética em ondas de choque de intensidade variada, baseando-se na Terceira Lei de Newton. Ele localiza o ponto a ser tratado no paciente, posiciona o gerador no ponto F1 sobre a pele e transmite as ondas para o interior do tecido. Esses e outros tratamentos, além de profissionais qualificados nas mais diversas áreas da ortopedia, você só encontra na Orto Center!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>